O que é Teologia ?


Você sabe o que é Teologia?

Há quem confunda teologia com religião. E há quem pense que teologia é ciência sobre a religião.

É um pouco das duas coisas. E é mais também.

Uma definição já clássica é que “teologia é a atualização da Revelação". Ou seja, se parte da ideia de que há um conjunto de palavras inspiradas reveladas ao ser humano.

Como essas palavras e esses gestos são circunscritos ao contexto histórico-cultural em que surgiram, há a necessidade de serem “traduzidas” para o ser humano de hoje.

E é aí que entra a teologia. Como exercício de tradução, de atualização daquilo que se julga revelado.

Nesse sentido, sem fé é impossível fazer teologia. Por que? Porque há, por princípio, fé numa revelação.

Os judeus tem essa fé com a Tanach, com a Bíblia Hebraica. Os cristãos, com a Bíblia Sagrada. E os muçulmanos com o Corão, para ficar em alguns exemplos apenas.

Há, por trás dessa definição, também, outro tipo de fé. Uma fé na realidade, na atualidade. Uma visão da vida sob a perspectiva de sua sacralidade. E, com isso, a exigência de enxergá-la sob a lógica de uma revelação.

Fé na Palavra e fé na Vida.

Nesse raciocínio, a Teologia é uma espécie de "apocalipse da atualidade". Noutros termos, "revelação da atualidade". Um esforço de diálogo com as ciências humanas, literárias e sociais, com a filosofia, por exemplo, para compreender, desvendar, para significar a atualidade.

A ideia de "mito" (mito compreendido como narrativa) diz muito sobre esses dois movimentos que a teologia faz.

A compreensão tanto da revelação quanto da atualidade sob a lógica da narrativa. Compreendê-las, ambas, como resultado de muitas vozes; umas forçando hegemonia ou simplesmente reclamando um espaço.

Não se trata de tentar "demitologizar" a revelação ou "demitologizar" a atualidade. Isso é impossível. A gente pensa por meio de narrativas. Nós somos seres “míticos”.

Ao contrário: é necessário compreender a realidade toda como uma espécie de "mito", sim. Como narrativa. Como a contação de nossa história.

Nesse sentido – de que a teologia é uma tentativa de atualizar o que se julga fundamental – e de conjugar revelação e história, ética e espiritualidade – é que se coloca uma agenda, uma espécie de missão para os teólogos e teólogas:

- denunciar as vozes que forçam hegemonia,

- anunciar as que reclamam espaço

- e lutar com todas as forças contra os ídolos que exigem status divino quando não passam de artimanhas da morte (em todos os seus sentidos e formas).

Por isso tudo, Teologia não é dogma. Ao contrário: teologia é dúvida. Teologia é uma mescla de fé e dúvida. É caminhar numa corda bamba sobre um abismo escuro e silencioso.

Se é verdade que a linguagem é uma espécie de rede com a qual compreendemos e significamos a realidade em que estamos, a teologia é uma rede distinta das usuais.

Uma rede que parte daquilo que significa mais profundamente, aqueles aspectos da existência que, em geral, são negligenciados por outros saberes.

Não é uma rede que trata disso ou daquilo, mas “sobre a qual” se sustenta “quem” pensa sobre isso ou aquilo. Não é algo ‘a respeito’, mas ‘a partir do qual’.

Apesar disso – talvez exatamente por causa disso – a teologia, como linguagem, é precária, provisória e cambaleante. Toda teologia é um suspiro diante da realidade. Um olhar, ao mesmo tempo, de indignação e de esperança.

__________

(*) Ricardo Lengruber é professor. Doutor pela PUC Rio, tem livros e artigos publicados nas áreas de Educação, Religião e Políticas Públicas. Foi Secretário de Educação em Nova Friburgo, presidente da ABIB e é membro da Academia Friburguense de Letras. Visite www.ricardolengruber.com

#teologia #fé #revelação #ricardolengruber #história #ética #espiritualidade

40 visualizações

+55 22 9 9996 1119

SIGA NAS REDES SOCIAIS
  • Facebook - White Circle
  • Branco Ícone Google+
  • White LinkedIn Icon
  • White Twitter Icon
  • White YouTube Icon
  • White Instagram Icon
  • White SoundCloud Icon
© 2017-2018 Ricardo Lengruber - Rio de Janeiro - Brasil
SITE SEGURO