Renovação Política?


Novo?

Uma das coisas preocupantes na campanha eleitoral desse ano é o apelo pelo “novo”. Essa ideia de que, porque a política vai mal, então a gente precisa de renovação.

A tese está correta. Mas o resultado pode ser pior do que o que se tem.

Explico:

Primeiro e antes de tudo: novo é uma coisa; novidade é outra. Há que se ter cuidado.

Mudar a política não significa mudar nomes, mas mudar ideias. Há ideias que parecem novas, mas são, em verdade, reencarnações do jeito patrimonialista de gerir o Estado brasileiro.

Mudar nomes não significa necessariamente mudar posturas. Em geral, nossos novos políticos são cria de velhas gerações viciadas. Quando não são da família, são subsidiários dos partidos e esquemas que se perpetuam há décadas. Por mais novos que pareçam, reproduzem os paradigmas mais antigos que há.

Dizer que o Estado tem que ser menor pode ser um equívoco grave. O Estado brasileiro não é grande (em si). O problema é que gasta mal. Prefere gastar os recursos provenientes dos impostos em despesas financeiras de uma dívida que nunca foi auditada. Ganham os de sempre. E perdem os de sempre. Quem já tem, acumula. Quem não, suplicia na fila do hospital.

Esvaziar o Estado, da forma como andam nossos serviços públicos, é desassistir ainda mais quem mais precisa. E garantir ainda mais pra quem mais tem.

Enxugar o Estado à custa de redução de investimentos em educação, cultura, ciência, saúde e saneamento é imoral - sobretudo quando se gasta prodigamente em juros e num sistema de previdência que quer retirar direitos dos mais pobres e preservar os dos privilegiados de umas poucas castas.

E mais: quem defende enxugar o Estado, propõe fazê-lo sob a lógica da substituição privada dos serviços. Convenhamos: isso já é feito. E os resultados são péssimos.

Pior do que tudo isso é que tem gente que depende dos serviços e da previdência pública e insiste em apoiar essa ideia mirabolante de eleger gente “nova” que prega receitas velhas e totalmente atreladas aos interesses que são tudo, menos condizentes com as necessidades e direitos reais das pessoas.

Precisamos urgentemente de mudança, sim. Mas precisamos, para isso, de renovação de base na cultura política do país. E não apenas na substituição messiânica de nomes. Tampouco pelo esvaziamento da política. Engana-se quem sugere que precisamos de menos política. Precisamos de mais. Demais. De mais políticas públicas que tenham as pessoas como sua base e sua destinação prioritárias.

Novo e novidade são coisas diferentes. Tem “novidade” por aí querendo se passar por “novo”. Bobagem. Não nos enganemos. Já nasceu velha.

__________

(*) Ricardo Lengruber é professor. Doutor pela PUC Rio, tem livros e artigos publicados nas áreas de Educação, Religião e Políticas Públicas. Foi Secretário de Educação em Nova Friburgo, presidente da ABIB e é membro da Academia Friburguense de Letras. Visite www.ricardolengruber.com

#política #renovação #ricardolengruber #novidade #políticaspúblicas

8 visualizações

+55 22 9 9996 1119

SIGA NAS REDES SOCIAIS
  • Facebook - White Circle
  • Branco Ícone Google+
  • White LinkedIn Icon
  • White Twitter Icon
  • White YouTube Icon
  • White Instagram Icon
  • White SoundCloud Icon
© 2017-2018 Ricardo Lengruber - Rio de Janeiro - Brasil
SITE SEGURO