QUANDO OPINIÃO É OPORTUNISMO


É verdade que o lugar onde pisamos orienta a visão que temos da realidade. E que essa visão direciona nossas ações.

Ponto de vista é a vista desde um ponto. Perspectiva.

Mas é igualmente verdade que nossa visão da realidade é condicionada também por ideias que circulam na sociedade e das quais somos reprodutores, mesmo que irrefletidamente.

É, por exemplo, a situação do empobrecido (economicamente) que pensa e age com a cabeça do enriquecido. Mais que isso: que é capaz de defender ideias que radicalizam o abismo de desigualdades socioeconômicas que há.

Há quem defenda pautas que são diametralmente opostas aos seus próprios interesses, necessidades e direitos. Há os que o fazem por posicionamento mesmo; sabem que precisam cooperar na transformação da realidade. (Mas os que o fazem porque não pensam com razão própria; apenas reproduzem mimeticamente o discurso dos outros.)

Em parte, é a isso que se denomina ‘paradigma’. Essa ideia-força que é capaz de orientar pensamentos e ações e reforçar permanentemente a realidade tal como está.

Por isso, mesmo quando há (aparentemente) ideias novas elas não têm a potência revolucionária que a vida demanda. Elas tendem a repetir velhos esquemas, mesmo que sob roupagem nova, mesmo quando parecem suscitar polarizações. Aliás, a polarização está sempre aprisionada num mesmo paradigma - a aparência é de ideias opostas - mas a realidade é de cosmovisões complementares, que apenas agradam mais ou menos a públicos distintos.

O desafio que se coloca é a ruptura de paradigmas. E isso demanda mais que mudança de pensamento. Exige coragem de perder. Requer vontade, honestidade e humildade intelectual.

Coragem para sair da zona de conforto. Vontade para enfrentar o novo. Honestidade para reconhecer os equívocos. Humildade para acolher o diferente.

No fundo, as perguntas que se colocam são:

  • Ao que nossas ideias servem?

  • A quem nossas posições beneficiam?

  • Somos (co-)autores ou mero (re-)produtores?

  • Nosso receio está na perda do lugar que estamos (emprego, clientes, eleitores, fiéis ou amigos)?

  • Aceitamos, consciente ou inconscientemente, repetir o discurso de quem nos usa por pura preguiça?

  • Ou seria só oportunismo mesmo?

#ignorância #paradigma #ricardolengruber #opinião #oportunismo

13 visualizações

+55 22 9 9996 1119

SIGA NAS REDES SOCIAIS
  • Facebook - White Circle
  • Branco Ícone Google+
  • White LinkedIn Icon
  • White Twitter Icon
  • White YouTube Icon
  • White Instagram Icon
  • White SoundCloud Icon
© 2017-2018 Ricardo Lengruber - Rio de Janeiro - Brasil
SITE SEGURO