Memória e esquecimento


- Sete anos depois do maior acidente climático na região serrana do Rio de Janeiro e em Nova Friburgo.

Diante da tragédia, ao menos dois caminhos são possíveis: ou se entrega à derrota, ou se aproveita para reordenar a caminhada. A memória da noite de 11 para 12 de janeiro de 2011 deve ser preservada. As centenas de mortes e as incontáveis perdas materiais e humanas devem ser celebradas com o respeito e a reverência que exigem. E precisam servir de oportunidade para reconstrução a partir de novas bases. É verdade que houve algum investimento em obras de reconstrução, sim; mas falta ainda muito. E falta o principal: uma reconstrução que não seja apenas de cimento e tijolo, mas de cultura. Não conseguimos honrar a memória dos de morreram naquela noite porque não aproveitamos aquela dor infinita para elaborar estratégias eficientes de prevenção e enfrentamento de situações de crise. Apesar de ter sido aprovada lei federal sobre o tema, a cidade (inspiração para criação da lei) não avançou em praticamente nada a respeito. A Lei 12.608/12 criou a Política Nacional de Proteção e Defesa Civil (PNPDEC), mas continuamos por aqui sem um sistema de informações e monitoramento de desastres efetivo e eficiente. Não conseguimos fiscalizar, por exemplo, a ocupação do espaço urbano, impedindo as construções em áreas de risco e com a decida orientação de engenharia pública. Sequer conseguimos prover moradia para todos que, desde a tragédia, estão esquecidos em cantos sob risco. Aliás, as poucas iniciativas de desenvolvimento econômico e as sucessivas crises dos últimos anos têm aprofundado a cada dia mais a situação de precariedade de moradia em que se encontram milhares de famílias. Além disso, não conseguimos tirar do papel políticas públicas de longo prazo sobre sustentabilidade. Sequer fazemos a coleta seletiva do lixo. Apesar de estarmos privilegiadamente encravados no meio de uma imensa e bela área de mata atlântica, desprezamos esse diferencial com a ausência absoluta de planejamento, preservação e investimento no setor. Mais do que isso: a ausência do poder público só faz potencializar o problema. Ou seja, não há fiscalização da ocupação do solo, não há preservação das matas e encostas e não há planejamento permanente de enfrentamento das situações de crise. Ou seja, ainda contamos, exclusivamente, com a sorte. Por outro lado, os dias que se sucederam à tragédia de 2011 mostraram uma rede de solidariedade muito grande. As ruas estavam repletas de voluntários. Havia uma cooperação generalizada em todos os setores: alimentos, abrigo, atendimento, socorro e toda sorte de apoio que a situação demandava. Isso deve ser sempre lembrado: ainda há esperança no espírito humano. Nós podemos fazer diferente. Passaram-se sete anos. Estamos às portas das comemorações dos 200 anos da cidade. Quem sabe seja esse mais uma oportunidade para resgatarmos a memória e vislumbrarmos a reconstrução da cidade. Nova Friburgo precisa mais que festa em 2018. Precisa, honestamente, de uma refundação. E isso deve passar, obrigatoriamente, pela solidariedade cujos sinais janeiro de 2011 testemunhou.

#memória #esquecimento #novafriburgo #ricardolengruber

37 visualizações

+55 22 9 9996 1119

SIGA NAS REDES SOCIAIS
  • Facebook - White Circle
  • Branco Ícone Google+
  • White LinkedIn Icon
  • White Twitter Icon
  • White YouTube Icon
  • White Instagram Icon
  • White SoundCloud Icon
© 2017-2018 Ricardo Lengruber - Rio de Janeiro - Brasil
SITE SEGURO