top of page

Vocação e Teologia


“Vocação é diferente de talento. Pode-se ter vocação e não ter talento, isto é, pode-se ser chamado e não saber como ir.” Clarice Lispector

A sabedoria oriental tem muito a ensinar ao Ocidente pragmático e utilitarista. O caminho que fazemos para fora de nós, na incansável busca pelo progresso e pelo sucesso, é uma espécie de busca de realização do lado de fora. Na verdade, essa tal realização ocorre do lado de dentro e, quando isso não está bem compreendido, a busca se torna uma enfadonha peregrinação sem fim e sem êxito.

Quando conseguimos compreender que o “eu interior” não é algo que encontramos, antes algo que construímos, conseguimos romper com os viciosos círculos de busca sem sentido. Essa ideia talvez nos ajude a perceber que nós, efetivamente, não estamos prontos nunca. Como lembrava Paulo Freire, nós estamos continuamente num processo de auto-realização, de auto-construção.

Ocorre, todavia, que entre religiosos há uma concepção equivocada a esse respeito. Vocacionados que se sentem para uma determinada vida, sabem-se dirigidos e orientados para essa tal missão. Por exemplo, pastores/as se decidiram por tal ocupação porque se conhecem chamados por Deus para servir ao próximo (ou à Igreja) e, por meio dele, ao próprio Deus. Essa convicção, portanto, os faz seguros de sua missão e não raro os torna demasiadamente auto-confiantes e, por vezes, com uma certeza quase messiânica.

E aqui reside um sério problema. Quem se sabe pronto e acabado, em geral, é pouco aberto à mudança. Mas é exatamente essa característica que move a vocação religiosa. É a suprema capacidade de se deixar converter continuamente que mantém acesa a chama do chamado religioso.

A afirmação de Clarice Lispector me faz pensar, então, sobre o significado de nossa vocação, seja ela qual for. “Vocação é diferente de talento. Pode-se ter vocação e não ter talento, isto é, pode-se ser chamado e não saber como ir.” Será, mesmo, possível ser chamado por Deus, mas não dispor do talento, da habilidade requerida para desempenhar tal tarefa?

Claro está que em tempos de metas e alvos estabelecidos sob a ótica da prosperidade utilitarista e desumanizadora, vocação tem que ser sinônimo de capacidade para. Mas se pensada sob a concepção bíblica de valorização do ser humano, vocação é bem diferente. Seu verdadeiro significado reside na mais absoluta capacidade de saber olhar. Lembro-me do Poema do Menino Jesus, de Fernando Pessoa. “Ele me ensinou tudo; Ele me ensinou a olhar para as coisas ...”

Pastores são diferentes de administradores. Mesmo que em sua ocupação haja a requisição de tal tarefa, essa não é o fim tampouco o sentido de sua missão. Pastores são chamados para ajudar as pessoas a construírem sua auto-realização; são convidados a despertarem nos indivíduos o amor por si e pelos demais e, por meio dele, a construírem um mundo menos egoísta.

Creio que seja exatamente por conta disso que Clarice tem razão quando escreve que vocação é diferente de talento. Ser vocacionado é, simplesmente, ser chamado. O preparo e a habilitação se darão na caminhada. E isso porque será na caminhada que os chamados se descobrirão a si mesmos integralmente; e, nesse processo, ajudarão outros a fazer tal realização.

Pastores que se vêem como prontos são como gerentes que têm metas a cumprir e empenharão todos os esforços para que sejam atingidas, custe o que custar. Igrejas assim são como casas de custódia que, supostamente, têm números a serem alcançados, ou seja, pessoas a serem presas e mantidas como tal.

Pastores e Igrejas são chamados a anunciarem a libertação operada por Deus em suas vidas. O filho gastador que voltou para casa, ao ser recepcionado amorosamente pelo Pai, foi presenteado com sandálias para os pés; exatamente porque o Pai quer filhos livres em casa. Nada de filhos/servos aprisionados! (Lc 15)

Por essa razão, no necessário processo de formação dos pastores, deve estar clara a urgência de uma dinâmica de auto-realização. Em outras palavras, pastores devem ser convidados amorosamente pela Igreja que os capacita a ter um encontro vivo e contínuo consigo mesmo (e, por conseqüência, com o Criador); um encontro que os faça construir vida interior autêntica; que os faça experimentar a suprema felicidade de ser livre. Creio que somente assim o ofício pastoral encontrará sua verdadeira realização.

Pela mesma razão, considero que os cursos de Teologia (condição especial na formação pastoral) devem resguardar tal perspectiva. Tenho repetido que estudar Teologia é uma forma privilegiada de experimentar Deus hoje. Se, por um lado, a Teologia pode ser um estéril estudo puramente cognitivo e, por vezes, inibidor da Fé; por outro, a genuína Teologia é aquela que nos auxilia no processo emancipatório. Teologia que, nascida da Fé, procura fazer uma experiência autenticamente libertadora. Experiência de “olhar” para as pessoas.

Os que acusam a Teologia de “matar” a Fé o fazem porque tiveram uma equivocada experiência teológica ou, pior, porque não realizaram ainda o exercício necessário da contínua conversão.

Caminhante, são teus rastros

o caminho, e nada mais;

caminhante, não há caminho,

faz-se caminho ao andar.

Ao andar faz-se o caminho,

e ao olhar-se para trás

vê-se a senda que jamais

se há-de voltar a pisar.

Caminhante, não há caminho,

somente sulcos no mar. (Antonio Machado)

É isso: vocação é diferente de talento. E o é porque habilidade se constrói na caminhada. Não creio que haja clareza quanto ao destino, apenas que há que caminhar. Caminhar para frente, para fora, mas, acima de tudo, para dentro!

14 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo
bottom of page